Sexta-feira, 21 de Outubro de 2005

Bragança



 Marius volta a esporear o cavalo, a seu lado, o cachorro encontrado abandonado num caminho deste Portugal. São as suas únicas companhias. Vai continuar sozinho pois mais uma mão deixou de acenar, mão que vinha acenando há muitas caminhadas deixou-se ficar. A única coisa que faz bem ao ego de marius é saber que aqui e ali, outras mãos não deixarão de contribuir para que a caminhada seja mais leve mas, se assim não acontecer, não haverá desânimos, a jornada sendo longa chegará ao fim junto à velha mulemba que me espera do outro lado do Atlântico, hei-de lá chegar. É a vida.


Se Coimbra tem a cabra
Bragança tem a cabrita
E em começando as aulas
Se a mãe berra… a filha grita.



Bragança


 Estou em Bragança. Encravada nas montanhas do Nordeste Transmontano, Bragança nasceu nos confins do tempo. A cidade antiga ficaria, no local onde hoje está a Sé. Era uma povoação neolítica e serviu de base a uma cidade romana. Com as invasões bárbaras e lutas cristãs-islamitas desapareceu. Foi reconstruída por Fernão Mendes, cunhado do nosso primeiro rei. Em 1187 recebe o foral de D. Sancho I pela sua importância militar pois situava-se na linha fronteiriça com a Galiza. D. Afonso V eleva-a à condição de cidade em 1466.

 A cidade veio a conhecer um relativo desenvolvimento com os Judeus que nela encontraram acolhimento e «asilo quase seguro». A inquisição foi muito activa em Bragança, ao todo 734 vítimas. Os teares fecharam e a região passou por um período de decadência.

 Nos séculos XV e XIX tornou-se importante centro da cultura do sirgo e da indústria de seda e à qualidade do produto dizia-se: "A doçura das carícias femininas compara-se ao toque dos veludos de Bragança".
São uns exagerados, nada se compara à carícia feminina, é única.

 Um monumento capta a atenção de marius, a Domus Municipalis, edifício único da arquitectura civil românica medieval da Península Ibérica e que se pensa ter sido edificada como casa de água, fazendo a cachorraria interior e exterior converter para a cisterna e sua nascente as águas fluviais. Mais tarde serviu para lugar de reunião dos «homens bons» do concelho.

Domus Municipalis


Bragança - Pelourinho 






Um pelourinho ergue-se sobre uma curiosa base, a «porca da vila». Marius sempre ouviu falar na porca da vida mas nunca da porca da vila. É ir a Bragança e tirar isto a limpo.









 O castelo de Bragança é um dos mais bem conservados do país. As portas e a ponte levadiça já não fazem parte do actual castelo mas, nas suas ameias, os defensores davam as boas-vindas, àqueles que lá iam com bélicas intenções, com grandes caldeirões de líquidos ferventes, ora toma que é para aprenderem que, com o bragançanos, só lá vão quem convidados são. Hoje dessas ameias pode-se desfrutar uma admirável paisagem do melhor miradouro da cidade.

 No lado setentrional encontra-se a Torre da Princesa. Segundo a lenda, uma bela princesa, apaixonada por jovem guerreiro e recusando os pretendentes fidalgos que lhe oferecia seu tio, persistiu esperar pelo noivo, que partido para as lides da guerra, já muito tardava. O tio, servindo-se de um estratagema tentou provar que o noivo já tinha partido deste mundo e, assim, entrou no quarto da princesa altas horas da noite, fingindo-se fantasma, para a aconselhar a escolher marido. Certo que embora fosse de noite outra porta do quarto se abriu e um raio de sol o iluminou, vendo-se assim descoberta a sua traição. Certo é, que esta lenda, deu origem aos nomes da Porta do Sol e da Porta da Traição. E o que sucedeu à nossa Princesa? Reza as crónicas que um dia o jovem guerreiro, numa noite de tempestade, a raptou, fornecendo-lhe uma espécie de guarda-chuva com o qual ela se lhe lançou nos braços.
Mary Poppins deve ter tirado daqui a ideia de voar com o guarda-chuva aberto.

 A românica Igreja de Santa Maria, a Igreja de S. Vicente com um painel de azulejos alusivo à proclamação, em 1808, do general Sepúlveda contra a ocupação napoleónica e, segundo a tradição, foi aqui que se realizou o casamento de D. Pedro e D. Inês de Castro, a Igreja de S. Bento, padroeiro da cidade, com uma pintura no tecto atribuída ao pintor religioso Bustamante, fazem de Bragança um ponto obrigatório de visita nas deambulações de marius pelo nordeste transmontano….

 … E, à lareira, nas noites frias de Inverno, com as castanhas assadas, vamos jogar à arrebiana. Mão fechada cheia de bilhós, bem repimpada no escano:

 - Arrebiana, sobressaltada!
 - Sobre quantos?
 - Sobre cinco!


 Mão aberta e não existindo cinco mas dois – teremos que pagar três.

 … Vamos nós a isso?... Sobre quantos?...

publicado por marius70 às 04:41
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 12 de Agosto de 2008 às 12:07
Bom dia. A Torre da Princesa, que é tudo quanto resta do paço do alcaide,foi cenário de tragédias íntimas; a da infanta D. Sancha, irmã de Afonso Henriques, humilhada pelo adultério do marido, o senhor da terra, Fernão Mendes, e a de D. Leonor, infeliz esposa e mais tarde injusta vitima, do muito ciumento D. Jaime, Duque de Bragança. Enviado por sun-set em outubro 31, 2005 07:46 AM

"Enquanto trincha e come a sua vianda mal passada pelas brasas e bebe o seu vinho tinto, D. Pedro I vai assistindo à demorada tortura de Pero Coelho e Álvaro Gonçalves. A um, é arrancado o coração pelas costas, a outro pelo peito. Persignam-se os nobres e murmuram, apavorados: - El-Rei traiu a palavra dada... Mas a um homem bom (é o nome que neste tempo se dava a um burguês conceituado), ouve-se dizer: - Quem trai a quem fez traição, tem cem anos de perdão... " Enviado por sun-set em outubro 31, 2005 07:48 AM

Já li muito sobre D.Pedro e Inês de Castro mas nada que referisse o facto de eles terem casado. O mais sinistro nesta história é que D. Pedro elevou D. Inês de Castro a rainha já depois de morta e obrigou toda a corte a beijar-lhe a mão, ou o que restava dela (porque D. Inês já tinha morrido há dois anos). Mandou depois construir o mosteiro de Alcobaça, onde fez um belo túmulo para D. Inês de Castro. Mesmo em frente mandou construir o seu, onde foi enterrado em 1367. Diz-se que estão nesta posição para que, quando acordarem no dia do Juízo Final, olhem imediatamente um para o outro. Enviado por sun-set em outubro 31, 2005 07:50 AM

"Estavas, linda Inês, posta em sossego,/ De teus anos colhendo doce fruito,/ Naquele engano da alma, ledo e cego,/ Que a fortuna não deixa durar muito (...)/ Arrancam das espadas de aço fino/ Os que por bom tal feito ali apregoam./ Contra uma dama, ó peitos carniceiros,/ Feros vos amostrais e cavaleiros?/Camões--- Vence a razão do Estado, morre a do afecto... Enviado por sunset em outubro 31, 2005 07:52 AM

Livra. Estava difícil mas lá conseguir trazer o comentário de Chaves até Bragança. :)) "Das carnes o carneiro, das aves a perdiz e, sobretudo, a codorniz; mas se o porco voara, não havia carne que lhe chegara». Assim reza a voz da sabedoria popular, atestando a importância daquele que é o rei da gastronomia transmontana. Assado, cozido, salgado ou dependurado sob a forma de enchidos no fumeiro de todos os lares, o porco é desde há séculos a base da alimentação dos Transmontanos. E justa homenagem lhe prestou o povo, não só multiplicando-lhe os sabores como erguendo-lhe enigmáticas esculturas graníticas, de que são exemplo as porcas da Torre, de Murça ou de Bragança. Mas para cá do Marão moram muitos outros ricos sabores, que, como já reconhecia o Abade de Baçal, «constituem pitéu que não receia confrontos com os mundiais mais afamados». A culpada foi a porca da Murça. Um abraço. Enviado por dojaya em novembro 3, 2005 10:49 PM

desde ja os meus parabens pelos seus blogs neles utiliza material muito bom. gostava que me respondessa a dizer onde aranjou as musicas Enviado por Carlos Rei em agosto 31, 2006 09:42 PM


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Torres Novas

. O Castelo de Almourol

. Tancos e o Tejo

. Tomar - A cidade dos Temp...

. Penela

.arquivos

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

SAPO Blogs

.subscrever feeds